O que emagrece mais: dieta ou exercício?

CompartilheShare on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+1Email this to someoneShare on LinkedIn0Pin on Pinterest0Print this page

Se você não tem certeza se o negócio é malhar ou fechar a boca para afinar mais, siga a sua intuição. A sugestão tem respaldo científico: uma pesquisa da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, divulgada em janeiro, constatou que quem acredita que a briga com a balança está relacionada à comida vai se dar bem se adotar uma alimentação equilibrada. Já aquelas que desconfiam que o sedentarismo é o principal responsável pelo excesso de peso têm melhor resultado se pegar firme na malhação.

dieta12

Os especialistas entrevistados nesta reportagem concordam com o estudo e afirmam que conhecer o próprio corpo é o primeiro passo para chegar mais rápido ao peso desejado. Porém, até mesmo os experts em atividade física reconhecem que, quando o assunto é agilizar o emagrecimento, a dieta leva vantagem. “A conta é simples: Para se livrar de 1 quilo de gordura corporal é necessário queimar cerca de 7 mil calorias, o que só é conseguido entre 12 e 14 horas de treinamento intenso”, calcula o médico do esporte Jomar Souza, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE), de Salvador.

Em outras palavras, é mais fácil “fechar a boca” e não ingerir em fração de segundos as cerca de 400 calorias fornecidas por uma fatia fina de pavê de chocolate ou cinco biscoitos recheadas do que eliminá-las em 40 minutos de corrida, jump ou spinning. “É importante ressaltar que o gasto calórico numa atividade física nem sempre é o mesmo para todo mundo.

Dependendo do exercício e do condicionamento físico, uma pessoa que está no peso saudável, por exemplo, pode eliminar até 700 calorias em uma hora enquanto uma obesa ou com sobrepeso pode chegar a 300, pois não consegue manter o ritmo ou executar os movimentos corretamente”, avisa o fisiologista do esporte Paulo Zogaib, do departamento de fisiologia do esporte da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

A afirmação é endossada por um levantamento feito pelo Centro Pennington de Pesquisa Biomédica, nos Estados Unidos, publicado em outubro de 2012 no jornal científico Obesity Reviews. Depois de analisar 15 trabalhos científicos que envolviam 657 pessoas,­ os pesquisadores descobriram: aquelas que não alteraram a dieta, mas correram ou caminharam de três a 64 semanas, apresentaram uma perda de peso inferior ao esperado, em torno de 2 a 3 quilos.

dieta2

Um mais um é mais que dois…

Tudo bem que o placar é a favor da reeducação alimentar, mas os especialistas, inclusive os de nutrição, são unânimes em afirmar que combinar dieta e ginástica é a forma mais saudável de perder peso. A nutricionista Cinthia Azevedo de Souza, supervisora de  nutrição da Casa de Saúde São José, no Rio de Janeiro, explica o porque: “Enquanto a comida atende às necessidades energéticas e nutricionais do organismo, os exercícios ativam o metabolismo e favorecem a queima das calorias acumuladas em forma de gordura”.

Isso sem contar os outros benefícios, como deixar as coxas e o bumbum mais firmes, diminuir os pneuzinhos e a celulite, regular os níveis de glicemia, colesterol, triglicérides e pressão arterial, aumentar o pique e a sensação de bem-estar – que, vamos combinar, é um ingrediente e tanto para que você continue motivada a seguir em frente no seu plano de emagrecimento.

Mas se você ainda não se convenceu de que a melhor saída é apostar na dupla alimentação e ginástica, vamos aos números: para perder 1 quilo por semana apenas com dieta é necessário cortar cerca de mil calorias por dia do cardápio. Agora, se a opção for malhar, vai ter que arranjar um modo de gastar mil calorias a mais por dia.

Porém, se aliar as duas coisas, você tem direito a comer um pouco mais e suar um pouco menos. “Além disso, fazer uma reeducação alimentar em detrimento da atividade física ou vice-versa aumenta o risco do benefício ser temporário”, adianta o nutrólogo Ricardo Rosenfeld, chefe da equipe de terapia nutricional da Casa de Saúde São José, no Rio de Janeiro, e vice-presidente da Federação Latino-Americana de Metabolismo e Nutrição (Felanpe). A única cilada do mix dieta e fitness que muitas mulheres caem é superestimar o total decalorias queimado durante os exercícios e subestimar o tanto que comem.

Resultado: elas se dão ao direito de comer mais do que deveriam só porque malham. Para fugir dessa roubada, a psicóloga do esporte Sâmia Hallage, da seleção brasileira de vôlei de praia masculino, de São Paulo, ensina uma regra: “Tenha sempre em mente a quantidade real de calorias que você ingere e quanto cada atividade física  é capaz de queimar”. Depois, é só cruzar os dados de forma que sempre haja um saldo negativo de calorias. “Estabelecer metas e pensar no corpo que deseja alcançar, e não num prato delicioso ou no cansaço gerado pelo exercício, também é uma estratégia para continuar no processo de perda de peso.” É a troca do prazer imediato pelo prazer a longo prazo – que vale muito mais a pena!

dieta3

Qual a é a dieta que bate o exercício?

A resposta está na alimentação equilibrada. “Aquela que inclui de tudo um pouco para garantir todos os nutrientes que o organismo precisa”, diz Cynthia Antonaccio, nutricionista da Equilibrium Consultoria, em São Paulo. O resultado que você vê no espelho também tem muito a ver com a qualidade do que come. Ou seja, além de cortar calorias, é importante trocar os carboidratos refinados pelos integrais e dar mais espaço no prato para as proteínas magras e as gorduras boas, além de consumir frutas, verduras e legumes variados.

Para quem sabe de tudo isso, mas na hora do desespero apela para dietas restritivas, a professora de educação física Carolina Magalhães, do Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo (Cepeusp), avisa: “Você até pode emagrecer rapidamente, mas não consegue levar o plano por muito tempo, o que é frustrante”. Outro ponto negativo do regime radical é que a pessoa tende a entrar num estado de privação, em que sente vontade de comer desesperadamente sempre que surge uma brecha. “Isso sem contar que o metabolismo fica lento. Daí, ao voltar para a alimentação convencional, é mais fácil recuperar o peso perdido ou  muito mais”, conclui a psicóloga do esporte Sâmia Hallage.

Fonte: Universo Jatobá

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>